segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Planejamento Estratégico e Competitividade

Por: Bráulio Wilker

O Planejamento Estratégico pode ajudar as empresas a diminuir os riscos que seus produtos podem sofrer durante o desenvolvimento e colocação no mercado. Para isso, faz-se necessário a implementação de critérios de tomada de decisão e ferramentas que permitam às organizações o sucesso de seus produtos. Planejamento é essencial em qualquer organização. Planejamento estratégico é a análise do ambiente (interno e externo) organizacional, a partir da qual são determinadas as ações empresariais posteriores. A ação e a tomada de decisões devem ser embasadas em fatos e dados.
Leia Mais

Um sistema de controle simples com base na medição de tempos de produção

São muitas as técnicas de controle de produção com aplicações em bens e serviços, dentre elas podemos destacar o estudo de tempos e métodos e a amostragem do trabalho. O estudo de tempos, movimentos e métodos engloba técnicas que analisam cada operação de uma determinada atividade, com o fito de eliminar elementos desnecessários a operação e escolher o mais eficaz e eficiente método para executá-lo. Controlar a produção é uma boa maneira de obter vantagem competitiva. Para isso é fundamental, dentre outras coisas:
  1. Analisar a capacidade de produção a fim de estabelecer a demanda a ser atingida; 
  2. Ter sob forte controle os procedimentos de produção; 
  3. Analisar o posto de trabalho, seu método e medição.
O estudo de tempos e métodos é essencial por permitir aos gestores entender desde operações unitárias elementares até dimensionar a capacidade de produção da organização. O estudo de métodos é um importante instrumento que possibilita a padronização de procedimentos. O estudo de tempos movimentos e métodos têm estreito vinculo com três importantes termos empresariais: Engenharia de Métodos, Projeto de Trabalho e Ergonomia.

 Engenharia de métodos:

  •  Dedica-se a melhoria e desenvolvimento de máquinas de conformação e processos de produção para suportar a fabricação;
  • Visa estabelecer um método laboral eficiente, em outras palavras, aperfeiçoa o local de trabalho por meio da adequação de equipamentos, manuseio e movimentação de materiais, dispositivos específicos, ferramentas, layout;
  • Realiza cronoanálise e racionalização de movimentos.
Projeto de trabalho:
  • È a forma como as pessoas agem com relação ao seu trabalho; 
  • Atividades que influenciam o relacionamento entre pessoas, tecnologias usadas e métodos de trabalho empregados são levados em consideração no Projeto de trabalho.
Ergonomia:
  • Estuda a adaptação do trabalho ao homem e vice-versa; 
  • O projeto de trabalho deve se adequar as capacidades e limitações humanas; 
  • Serve-se dos conhecimentos de anatomia, fisiologia, psicologia para solucionar problemas oriundos do relacionamento entre homem e seu trabalho, equipamentos e ambiente.
Um eficiente sistema de controle com base na medição de tempos deve levar em consideração alguns elementos de análise:
  • Tecnologia de transformação: refere-se a técnicas empregadas na execução das tarefas; 
  • Materiais: devem ter rendimento maximizado; 
  • Equipamentos: são comumente os principais gargalos da produção, possuem metodologia de trabalho especificada pelo fabricante e podem funcionar isolados ou combinados possuindo muitas funções.
Principais técnicas de análise no estudo de métodos e tempos:
  • Determinação do tempo padrão: tempo necessário para a execução de uma determinada atividade; 
  • Amostragem do trabalho; 
  • Tempos elementares.
O controle pela medição de tempos deve ter no mínimo três etapas elementares para a obtenção do tempo básico:

  • Medir e observar o tempo necessário para a execução de cada tarefa do trabalho; 
  • “normalizar” cada tempo observado; 
  • Determinar a média dos tempos ajustados com o objetivo de obter o tempo básico para o elemento ou processo.
Etapa 1 Observar e cronometrar um elemento do trabalho no momento em que é realizado ao longo de diversos ciclos. Simultaneamente é registrado o desempenho percebido do trabalhador. No processo de avaliação da velocidade do trabalho são levados em conta um ou mais fatores necessários a realização do trabalho.
Essas avaliações devem ser registradas. A escala que usa uma avaliação de 100 para representar o desempenho padrão é a mais utilizada. Quando um observador classifica em 100 o tempo para realizar um determinado elemento do trabalho, esse tempo é o tempo que qualquer pessoa necessitará para trabalhar com desempenho padrão.

Etapa 2 O ajustamento para a normalização do tempo observado é dado pela razão: (avaliação observada)/(avaliação padrão) Como se sabe, a avaliação padrão é 100, na escala comum mais usada. Se o tempo observado = 0,66 min e a avaliação do tempo é 92, logo: tempo básico=(0,66×92)/100=0,6072

Etapa 3 Como qualquer atividade humana não pode ser repetida exatamente nos mesmos tempos em todas as ocasiões é necessário calcular os tempos básicos médios para cada elemento do trabalho, pois são utilizados para obter o tempo padrão da atividade ( incluindo as tolerâncias para cada atividade).
Leia Mais