quarta-feira, 11 de maio de 2011

O que é Engenharia Reversa?



Engenharia é a profissão envolvida na concepção, fabricação, construção e manutenção de produtos, sistemas e estruturas. Em um nível superior, existem dois tipos de engenharia: engenharia “de frente” e engenharia reversa.

Engenharia “de frente” é o processo tradicional de se mover de abstrações de alto nível e projetos lógicos para a implementação física de um sistema. Em algumas situações, pode haver uma parte física, sem detalhes técnicos, tais como desenhos, letras-de-material, ou sem os dados de engenharia, tais como propriedades térmicas e elétricas.

O processo de duplicação de um componente existente, subconjunto, ou produto, sem a ajuda de desenhos, documentação ou modelo do computador é conhecido como engenharia reversa.

A engenharia reversa pode ser vista como o processo de análise de um sistema para: 
  1. Identificar no sistema seus componentes e suas inter-relações 
  2. Criar representações do sistema em outro formulário ou um nível maior de abstração 
  3. Criar a representação física do sistema 

A engenharia reversa é muito comum em campos tão diversos como a engenharia de software, entretenimento, automotivo, produtos de consumo, microchips, produtos químicos, eletrônicos e desenhos mecânicos. Por exemplo, quando uma nova máquina chega ao mercado, os fabricantes concorrentes podem comprar uma máquina e desmontá-la para saber como ela foi construída e como ela funciona. Uma empresa química pode usar a engenharia reversa para derrotar uma patente sobre o processo de fabricação de um concorrente. Na engenharia civil, pontes e projetos de construção são copiados de outras obras de sucesso no passado, por isso haverá menor chance de falha catastrófica. Em engenharia de software, um bom código fonte é, frequentemente, uma variação do código-fonte anterior.

Em algumas situações, os designers podem dar forma às suas ideias, usando argila, gesso, madeira ou espuma de borracha, mas um modelo de CAD é necessário para permitir a fabricação da peça. Nos produtos que possuem forma definida e projeto desconhecido sua fabricação fica mais difícil. A engenharia reversa é uma solução para este problema, pois o modelo físico é a fonte de informação para o modelo de CAD. 

Outra razão para utilizar a engenharia reversa é a compressão do tempo de desenvolvimento do produto. No mercado global altamente competitivo, os fabricantes estão constantemente buscando novas maneiras de reduzir os tempos de entrega de um novo produto ao mercado. O rápido desenvolvimento de produto (PPR) se refere a tecnologias recentemente desenvolvidas e técnicas que ajudam os fabricantes e projetistas em atender as demandas de redução do tempo de desenvolvimento de produto. Usando engenharia reversa, um produto tridimensional ou modelo pode ser rapidamente capturado em formato digital, remodelado, e exportado para prototipagem rápida e/ou fabricação de ferramental rápido.

Seguem-se razões para a engenharia reversa em uma peça ou produto: 
  1. O fabricante original do produto já não produz o produto; 
  2. Não existe documentação adequada do projeto original; 
  3. O fabricante original não existe mais, mas o cliente precisa do produto; 
  4. A documentação do projeto original foi perdida ou nunca existiu; 
  5. Algumas más características de um produto precisa ser (re)projetado para melhorias. Por exemplo, o desgaste excessivo pode indicar onde o produto deve ser melhorado; 
  6. Para reforçar as boas características de um produto com base no uso em longo prazo do produto; 
  7. Para analisar as características boas e ruins de produtos concorrentes; 
  8. Para explorar novas vias para melhorar o desempenho e características do produto; 
  9. Para ganhar competitividade por meio de métodos de avaliação comparativa para compreender os produtos dos concorrentes e desenvolver produtos melhores que a concorrência; 
  10. Quando o modelo CAD original não é suficiente para suportar as modificações ou métodos de fabrico atuais; 
  11. O fornecedor original é incapaz ou não quer fornecer elementos adicionais; 
  12. Os fabricantes de equipamentos originais estão pouco dispostos ou incapazes de fornecer peças de reposição, ou a demanda esta sujeita a custos inflacionados para peças de fonte única; 
  13. Para atualizar os materiais obsoletos ou processos de produção antiquados com processos mais atuais e tecnologias mais baratas. 
A engenharia reversa permite a duplicação de uma parte existente, capturando as dimensões físicas do componente, características e propriedades dos materiais. Antes de tentar a engenharia reversa, uma análise bem planejada do ciclo de vida e de custo / benefício deve ser feita para justificar os projetos de engenharia reversa. O custo da engenharia reversa é tipicamente eficaz somente se os elementos estudados refletem um alto investimento ou serão reproduzidos em grandes quantidades. A engenharia reversa pode ser feita, mesmo que não seja rentável, se a peça for absolutamente necessária para um sistema.

A engenharia reversa de peças mecânicas envolve a aquisição de dados da posição tridimensional da nuvem de pontos usando scanners a laser ou a tomografia computadorizada (TC). Representar a geometria da peça em termos de pontos de superfície é o primeiro passo na criação do projeto da superfície paramétrica. Softwares específicos de engenharia reversa são utilizados e, posteriormente os dados são exportados para o CAD.

Pode-se dizer que a engenharia reversa começa com o produto funcionando, através do qual busca chegar ao projeto, na direção oposta para chegar a uma instrução de definição de produto (PDS). Ao fazer isso, ela descobre o máximo de informação possível sobre as ideias de design e tecnologias que foram utilizadas para produzir um determinado produto.

Um comentário: